Socrates e o porco

Publicado a : 09-08-2014 | Por : ParaRir |

0

Últimas Notícias! José Socrates teve um acidente de automóvel!

Felizmente, apenas um porco foi a vítima desta terrível tragédia. No entanto, tais eventos geram sempre mal-entendidos… ^_^

Socrates e o Porco

Para melhor visualizar esta apresentação, seleccione o modo de vista total (full). Para mover a apresentação a seu gosto mova o cursor do rato para junto das zonas laterais do slideshow e clique para mover os slides na direcção pretendida.  Conselho ParaRir.com

Eles também merecem!

Publicado a : 06-08-2014 | Por : ParaRir |

2

Muito se fala das mulheres! Então quando há discussões entre o Homem e a Mulher há sempre a velha polémica do que é que custa mais ser, donde invariavelmente a mulher costuma sempre sair por cima,  Ler artigo completo…

Ray William Johnson: o melhor do Youtube!

Publicado a : 05-08-2014 | Por : ParaRir |

2

Quem navega na Internet e ainda não conhece Ray William Johnson tem andado muito distraído… Ray William Johnson é o utilizador do Youtube com mais visualizações do Planeta! Este rapaz dedica o seu tempo a fazer críticas a vídeo virais que se encontram no Youtube! Em dois episódios semais Ray William Johson não apenas seleeciona três vídeos bem engraçados enter os milhares que todos os dias são carregados no Youtube, como os comenta! E os comentários de Ray são muitissimos engraçados, aliás são o que acaba por tornar os seus programas verdadeiramente especiais!

Ray William Johnson faz humor irreverente (com alguns palavrões à mistura, mas é, de facto, a sua personalidade!) em relação a vídeos já de si com piada. Em cada episódio comenta sempre três vídeos (daí o nome do show chamar-se Equals Three sendo o símbolo =3 já bem conhecido dos internautas), relacionando as suas piadas muitas vezes entre si. Utilizando algumas expressões chavão como o “Below” ou “I’m Ray William Johnson and I aprove this message” em todos os episódios, mas sempre de forma refrescante, Ray termina sempre os shows com uma questão cómica do dia (que é perguntada pelos utilizadores do seu canal do Youtube) e as respostas à questão cómica do dia anterior (que são igualmente fornecidas pelos utilizadores do seu canal!).

Para terem uma ideia do que estou a falar vou colocar neste artigo um dos episódios mais famosos de Ray William Johnson… Este tem, “apenas”, mais de 16 milhões de visualizações!

YouTube Preview Image

Eu não consigo parar de rir com os vídeos de Ray William Johnson. É impossível mesmo! É como droga: Experimentamos uma vez e não queremos outra coisa! (err… obviamente li a Christiane F, não falo por experiência própria.. cough, cough…)

Por, isso, em respeito ao estilo irreverente de Ray Wiliam Johnson, que se f***! Contemplem um dos últimos episódios do show Equals three, chamado Confessing my love!

YouTube Preview Image

Bem fixe, hein? Se quiserem explorar mais, visitem o canal do Youtube do ray William Jonhson! Acreditem, que vale a pena!

ps. -  Wiilliam Ray Johnson não se ocupa apenas do show Equals Three. Este jovem é um dos grandes empreendedores modernos da comédia e está em franca expansão. Já possui um blog, um vlog (vídeo blog) e até já faz parte e uma “banda musical” virtual – um projecto chamdo Your Favorite Martian, que cria temas fantásticos em animação, sempre com um toque cómico, naturalmente! Dêem uma olhadela na última criação musical deles!

YouTube Preview Image

Saramago e Caim: Humor Divino

Publicado a : 26-06-2014 | Por : ParaRir |

1

«Quando o senhor, também conhecido como deus, se apercebeu de que a adão e eva, perfeitos em tudo o que apresentavam à vista, não lhes saía uma palavra da boca nem emitiam ao menos um simples som primário que fosse, teve de ficar irritado consigo mesmo, uma vez que não havia mais ninguém no jardim do éden a quem pudesse responsabilizar pela gravíssima falta, quando os outros animais, produtos, todos eles, tal como os dois humanos, do faça-se divino, uns por meio de rugidos e mugidos, outros por roncos, chilreios, assobios e cacarejos, desfrutavam já de voz própria. Num acesso de ira, surpreendente em quem tudo poderia ter solucionado com outro rápido fiat, correu para o casal e, um após outro, sem contemplações, sem meias-medidas, enfiou-lhes a língua pela garganta abaixo. Dos escritos em que, ao longo dos tempos, vieram sendo consignados um pouco ao acaso os acontecimentos destas remotas épocas, quer de possível certificação canónica futura ou fruto de imaginações apócrifas e irremediavelmente heréticas, não se aclara a dúvida sobre que língua terá sido aquela, se o músculo flexível e húmido que se mexe e remexe na cavidade bucal e às vezes fora dela, ou a fala, também chamada idioma, de que o senhor lamentavelmente se havia esquecido e que ignoramos qual fosse, uma vez que dela não ficou o menor vestígio, nem ao menos um coração gravado na casca de uma árvore com uma legenda sentimental, qualquer coisa no género amo-te, eva. Como uma coisa, em princípio, não deveria ir sem a outra, é provável que um outro objectivo do violento empurrão dado pelo senhor às mudas línguas dos seus rebentos fosse pô-las em contacto com os mais profundos interiores do ser corporal, as chamadas incomodidades do ser, para que, no porvir, já com algum conhecimento de causa, pudessem falar da sua escura e labiríntica confusão a cuja janela, a boca, já começavam elas a assomar. Tudo pode ser. Evidentemente, por um escrúpulo de bom artífice que só lhe ficava bem, além de compensar com a devida humildade a anterior negligência, o senhor quis comprovar que o seu erro havia sido corrigido, e assim perguntou a adão, Tu, como te chamas, e o homem respondeu, Sou adão, teu primogénito, senhor. Depois, o criador virou-se para a mulher, E tu, como te chamas tu, Sou eva, senhor, a primeira dama, respondeu ela desnecessariamente, uma vez que não havia outra. Deu-se o senhor por satisfeito, despediu-se com um paternal Até logo, e foi à sua vida. Então, pela primeira vez, adão disse para eva, Vamos para a cama.»

É assim que começa Caim, o novo livro de José Saramago.  Naquilo que o autor considera como um simples recontar de uma história muito antiga (ou não se chamasse Velho Testamento ^_^), sob linguagem moderna, muita sátira e ironia à mistura … e pouca pontuação (como habitual!) Saramago acaba por nos tentar mostrar em Caim uma leitura literal da Biblia (como ela foi lida durante muitos séculos, diga-se de passagem) e como nesta se revelam muitos defeitos das suas principais personagens. Deus é uma delas e lendo a Bíb… ermm, digo, Caim, vai-se notando uma sucessão de episódios – muitos deles rocambolescos e de um humor notável – em que Deus não é de todo imparcial. Quase dá vontade de dizer que Ele é ruim como as cobras! Caim, claro, é uma das suas vítimas – deu cabo do irmão, lembram-se? – mas também o delator de uma série de caprichos de Deus que, se este fosse actor de telenovela, fariam qualquer velhota gritar para a televisão – não te cases com ele filha, que esse é má rês!

No que toca a religião, o humor pode ser uma coisa do demónio! Umberto Eco disse-o de uma forma bem explícita (e magistral) no seu eterno romance O Nome da Rosa. E aqui se prova novamente esse facto. O lançar deste livro por José Saramago levantou uma incrível polémica, tal como havia acontecido em O Evangelho segundo Jesus Cristo. A mais ínfima sugestão de que alguns pressupostos da religião podem ser ter o seu quê de ridículo é extremamente ofensivo (e reparem que aqui Saramago consegue ir contra os fundamentos logo de 3 – Católicos, Judeus e Islâmicos) e noutros tempos já levou à chamada “morte do artista”!

Agora, pelo menos, já se pode publicar humor sobre religião. Piada com graça ou blasfémia sem perdão, isso vai depender do leitor. Mas já se pode publicar! E isso, só por si, é um sinal positivo dos tempos, que o Para Rir aplaude!

Related Posts with Thumbnails