Maitê Proença: a polémica em Portugal

Publicado a: 19-11-2013 | Por : ParaRir | Em : Diversos, Estrangeiros, Loiras, Sátiras e Opinião, Trabalho


41

Numa das idas ao nosso twitter reparamos que havia muita discussão sobre o assunto, quando foi o nosso espanto encontramos montes de material uns com piada outros nem tanto… mas na generalidade dos comentários que vimos só dá mesmo é para rir. Uns com humor satirizado outros sem humor nenhum… a senhora foi enxovalhada em praça pública e ainda mais na blogosfera. O que se segue é um pequenino apanhado do que tinha mais piada.

Para quem ainda não viu o vídeo de tanta controvérsia, aqui fica.

YouTube Preview Image


Polémica de Maitê Proença em programa  “saia justa”

Miguel Sousa Tavares entra em defesa de Maitê Proença

e agora a sátira à noticia:

E agora o novo video de Maitê Proença vindo directamente de Vitominas:

YouTube Preview Image

Até foi noticia de última hora no Jornal Público:

Vídeo polémico
14.10.2009 – 13h48 João Pedro Pereira
A página da actriz Maitê Proença na Wikipedia inglesa foi reescrita e a biografia substituída por uma única frase: “Maitê Proença Gallo (n. São Paulo, 28 Janeiro 1959) é uma estrela porno brasileira, também conhecida pelos seus comentários ignorantes que envergonham o povo brasileiro”.
O Link da Wikipédia alterado! Espero que ainda consigam ver a alteração.

Até Hitler ficou indignado quando soube!

YouTube Preview Image

Agora uma piadinha vinda de a última soupa:
Tanta coisa só porque a Maitê Proença cospe?

Metam na cabeça.

As outras brasileiras só engolem porque lhes pagam.


E não esquecendo que o passado de Maitê foi logo posto a descoberto pelas revistas cor de rosa…

Oh Maitê! Aqui em Portugal temos um ditado: Quem tem telhados de vidro não devia atirar a 1ª pedra, viu?…

Related Posts with Thumbnails

Comentários (41)

…fartei-me de rir…

Realmente a melhor colectânea até ao momento…
só tenho pena é k se esteja a dar tanta importância a uma pessoa k não merece…
continuaçao do bom trabalho

LOOOOOOOOOOOOL.Até ja tou com pena da senhora sinceramente, que enxovalho, mas também a ignorancia paga-se com ignoracia nao é?adorei a reportagem sobre o brasil,adorei a tadução tava linda. so voçes mm pa irem buscar estas coisas.Coninuem ;)

Obrigado pelo incentivo! Continuaremos com certeza, procurando tornar o dia dos nossos leitores um pouco mais bem disposto! ;)

Realmente o vídeo foi de extremo mau gosto, mas temos que admitir: A reação de alguns portugueses foi desproporcional e injusta. Entendo perfeitamente a indignação, mas as ofensas proferidas contra a Maitê, o Brasil e os brasileiros, só servem para incitar ódio e discórdia entre os povos, dar publicidade ao fato, e notoriedade a atriz.

Por enquanto, aqui no Brasil o assunto é desconhecido, limitando-se a internet. Gostaria que as pessoas (brasileiros, portugueses e todos os outros) se mobilizassem para discutir assuntos mais relevantes, como política e preservação ambiental por exemplo. Um dia talvez, quem sabe?

Espero que isso sirva de reflexão, e que brasileiros e portugueses aprendam algo de útil com o triste episódio. O vídeo é péssimo, os portugueses se manifestaram, a atriz já se desculpou e ponto final. Não vale a pena ruminar assunto tão insignificante, certamente Brasil e Portugal têm problemas muito mais importantes para resolver.

Por outro lado, quando milhares de pessoas demonstram ódio, preconceito, e intolerância, deixa de ser uma piada de mau gosto e passa a ser preocupante… Por fim, parabéns adorei o trabalho! Um abraço a todos, Sérgio – SP/Brasil.

Antes de mais, obrigado pelo comentário Sérgio!

Há muitos anos (séculos?…) que os Brasileiros dizem piadas de Portugueses e todos os sabemos, da mesma maneira que os Portugueses fazem piadas de Alentejanos, por exemplo. Alguns são mais ou menos engraçados, outros são realmente de mau gosto como dizes. Efectivamente o da Maitê foi assim.

Falando apenas por mim, o que me chocou mais nem foi ela a dizer mal (e com dados errados, ainda por cima!) de Portugal ou mesmo ter cuspido num monumento nacional… Foi o facto de ela em público e noutras ocasiões em que veio a Portugal expressar-se de uma maneira afectuosa perante o nosso país, tendo até mesmo granjeado um fã clube no país irmão e em privado – lembremo-nos que este foi um vídeo amador, que só mais tarde foi lançado na televisão – mostrar os seus sentimentos da maneira que todos vimos. Enfim, o que me chocou mais foi a hipocrisia e a estupidez da Maitê Proença.

Não fiquei aborrecido com o povo brasileiro e pessoalmente tanto me dá que façam piadas de portugueses. Aliás, qualquer dia havemos de publicar um post com um best of de piadas sobre portugueses, neste mesmo site (como já referimos, nós aqui brincamos com todos, sem excepção!). Fiquei irritado com a falsidade da Maitê.

Mas pessoas assim há em Portugal e no Brasil.

E como dizes, há coisas bem mais importantes neste mundo a ser discutidas. Aqui no Para Rir a gente quer realçar as mais engraçadas, para a malta dar uma risada, que é bem importante nos tempos que correm.

Obrigadissímo pelo fantástico feedback Sérgio, cheio de bom senso! Paz, Amor e muita Alegria é o que o Brasil e Portugal precisam!

E já agora, parabéns pelos Jogos Olímpicos e Mundial, que já mereciam!

António Silva

Eu sou portuguesa,fiquei indignada,mas acho que já chega!!!Estamos a dar demasiada importância á dita fulana,acho que ela nunca foi tão publicitada como nos últimos dias.O que se tem visto ultimamente é alarmante!!!Portugueses e brasileiros,a destilarem todo o seu ódio e xenofobia…onde é que isto irá parar?Confesso que fui uma dessas pessoas,e peço desculpa aos brasileiros que ofendi,temos que ter algum control,e não deixar que esse ódio momentâneo se apodere de nós…espero que a senhora tenha aprendido com o erro,eu,vou continuar a respeitar todos os brasileiros,coisa que sempre fiznão podemos punir todo um povo,por um erro de uma pessoa.

Na verdade ela é uma famosa atriz aqui no Brasil, e muito Respeitada, tem até livros de sua autoria.

Bem dito Kikinha!

A Maitê errou e, por isso, pediu desculpas. Mas, os portugueses não a desculparam. Estão no seu direito. Se não querem aceitar suas desculpas, não aceitem, mas daí a tripudiar com a desgraça dela já é de mau gosto e falta de discernimento, além de muito cruel. Ofender um país inteiro pelo erro de um, também é de mau gosto e falta de discernimento Para mim, com atitudes como estas, os portuguese já perderam a razão.

Olá pessoal, sou brasileiro, e sinceramente eu achei uma “brincadeira” de muito mal gosto. Aqui no Brasil, pelo o que me parece, a mídia ainda não tomou conhecimento (caso sim, na Globo é que não vai passar, já que ela tem contrato com a emissora), mas acho que o povo português está dando muita importância para a Maitê. Ela não é vista como uma graaaaande atriz, muito menos escritora, tem fama muito mais pela experiência do que talento. Nem me lembrava que esse programa ainda existia, nele estão todas aquelas que a Globo nem quer que fique no horário nobre, nem quer que saia da emissora. Todo tipo de piada que ofende o seu país é algo bastante delicado, não gosto disto. Peço desculpas pelo povo brasileiro. Gostei do blog, abraços.

Olá,
Assisti o vídeo, sou brasileiro e fiquei bastante triste, mas acho que vocês (portugueses) estão dando muita importância para a Maitê, toda e qualquer pessoa que critica a cultura de um país, e o pior DENTRO DO país, e achando engraçado, é uma pessoa que não tem um juízo muito bom, logo Portugal que um país que dá mais moral pra ela do que o Brasil, ela nunca teve muita moral aqui depois que ficou velha, faz uns bicos só pra mostrar que tem contrato assinado. Mas mesmo com tudo isso, acho que tanto vocês quanto nós devemos nos indignar por coisas de maior importância, não se exaltem com comentários xenófobos isso é ruim, não por confraternização entre luso-brasileiros, mas sim por uma questão ética, precisamos de paz. O Brasil tem sim as sua dificuldades, tem gente com dificuldades, tem mendigo… tem sim. Mas todo país tem o seu lado feio. Vocês acham que o Brasil só tem favela, mas é porque todos os filmes que vocês assistem são gravados em lugares onde tem favela, aqui os cineastas seguem o caminha da não violência nas ruas, e fazem esse tipo de filme, aí os estrangeiros acham que é só isso, mas não é.
Eu adoraria um dia poder percorrer os mesmos caminhos que a Maitê percorreu neste vídeo, mas tenho certeza que farei um passeio mais proveitoso, adoro história e sei da importância histórica que Portugal tem.
Abraços, e peço desculpas pelos brasileiros.

Tudo que vem sendo dito aqui está muito certo!!!!É por haver pessoas serenas que eu acredito que este triste episódio vai acabar por ser ultrapassado,um abraço a todos os Portugueses e Brasileiros,temos que nos lembrar que todos precisamos uns dos outros.

Caro Antonio Silva, obrigado! Como já disse, eu compreendo perfeitamente a indignação dos portugueses.

Com relação aos estereótipos, infelizmente eles existem no mundo todo, e quanto a isso nada podemos fazer. Todos os povos, quando vistos por estrangeiros são engraçados. Para os ignorantes, os brasileiros sempre serão índios, os portugueses burros, os argentinos arrogantes, os franceses fedorentos, etc, etc, etc. Pura bobagem, digna de risos, nada mais…

Por fim, um beijo a Kikinha pela nobre atitude. Desejo sucesso e felicidades a todos. Um forte abraço, Sérgio.

Para acalmar os ânimos lusitanos, contarei as verdades por trás das supostas brincadeiras da Maitê:
A comida portuguesa é muito salgada. Depois de se fartar de bacalhau e outros pratos demasiadamente salgados, acompanhados de muito vinho do Porto, a Maitê, sentindo a sua boca com gostos desagradáveis, percebeu o melhor momento em cuspir: Em uma fonte, ao invés de cuspir no chão!
Com a boca já menos seca na hora da gravação do vídeo, após ter tomados dois litros de água para se hidratar, naturalmente quis se aliviar da mistura de paladares que ainda a atormentava. Porém não cuspiu no chão, ato de civilidade!
É preferível cuspir em uma fonte a cuspir no chão. Além de ser aquosa a saliva, ela é constituída de minerais, enzimas, bactérias… Nada melhor que enviar o cuspe para um lugar apropriado. A água da fonte agradece a saliva e o chão dos visitantes também!
Parece que o pessoal de Matosinho, vendo tamanha civilidade da Maitê em não cuspir no chão, se motivou com o seu ato e agora quem cuspir no chão é multado. Na Lei de Matosinho, cuspir na água de qualquer lugar é liberado, somente o chão é proibido. O bom senso fala mais alto, claro…
Quanto ao episódio do hotel com o hardware que aqui no Brasil chamamos em inglês (Mouse) e os portugueses no nosso idioma (Rato), foi outro grande mal entendido.
Vocês portugueses sabiam que a Capivara é parente distante do Rato? Pois é! A Capivara é o maior roedor do mundo e o menor é o Rato!
O Mouse (Rato) que a Maitê estava utizando no Micro era enorme, muito acima dos padrões convencionais, pois até o técnico portugues se assustou com o hardware. Ele ficou abismado, analisando minuciosamente o tamanho do Mouse que ele nunca tinha visto na vida, decifrando os exageros daquele raro e estranho gigante Mouse.
Daí a causa da Maitê ter dito: “Ele olhava para o Mouse (Rato) como se fosse uma Capivara… Como uma coisa estranha em cima da minha mesa…”
Quanto a Vila de Sintra, Maitê já estava embriagada de vinho do Porto. Quando ela disse: “E para provar pra vocês que nós estamos em Portugal…”, ela não completou o que iria dizer: “E para provar pra vocês que nós estamos em Portugal, estou tão bebada com o forte vinho portugues que estou vendo um 3 invertido!” Mas ao perceber a realidade, resolveu narrar apenas o que estava vendo e nada mais.
Ela lá iria saber que todo 3, invertido ou não, é relacionado a Maçonaria, exoterismo, cabalismo ou o que for? Até porque se for da maçonaria, esta é machista e querer que uma mulher saiba dos seus ocultismos é demais. O maçon dono da casa poderia ter colocado o Esquadro e o Compasso, a letra G, ou três pontos em formato triangular para facilitar as coisas. Ou pode ter sido burrice do morador mesmo.
Falando em Maçonaria deveríamos lembrar de seu lema principal: Liberdade, Igualdade e Fraternidade!

Com a devida vénia, permito-me transcrever uma CARTA A MAITÊ PROENÇA:

Exma. Senhora:

Foi com indignação que vi a ‘peça cómica’ que fez em Portugal e passou no programa Saia Justa em que participa. Não que me espante que o tenha feito – está à altura da imagem que há muito tenho de si, pelo que me tem sido dado ver pelos seus desempenhos – mas sim pelo facto da TV Globo ter permitido que tal ignorância fosse para o ar.

Só para que possa, se conseguir, ficar um pouco mais esclarecida:

* A ‘vilazinha’ de Sintra é património da Humanidade, classificada pela UNESCO e unanimemente reconhecida como uma das mais belas e bem preservadas cidades históricas do mundo;

* em Portugal, onde existem pessoas que olham para o mouse do seu computador como se de uma capivara se tratasse, foi onde foi inventado o serviço pré-pago de telefones móveis (os celulares) – não existia nenhum no mundo que sequer se aproximasse;

* foi também o que inventou o sistema de passagem nas portagens (pedagios, se preferir), sem ter que parar – quando passar por alguma, sem ter que ficar na fila, lembre-se que deve isso aos portugueses;

* é dos países do Mundo com maior taxa de penetração de computadores e serviços de internet em ambiente doméstico;

* é o único país do mundo onde TODAS as crianças que frequentam a escola têm acesso directo a um computador (no próprio estabelecimento de ensino) – e em Portugal TODAS as crianças vão à escola. Muitas delas até têm um computador próprio, para seu uso exclusivo, oferecido ou parcialmente financiado pelo Ministério da Educação – já ouviu falar do Magalhães? É natural que não… mas saiba que é uma criação nossa, que está a ser adquirida por outros países. Recomendo-o vivamente – é muito simples e adequado para quem tem poucos conhecimentos de informática. Somos tão inovadores em matéria de utilização de tecnologia informática e web nas escolas, que o nosso caso foi recomendado por especialista americanos, como exemplo a seguir, a Barack Obama, que é só o Presidente dos Estados Unidos – ao Sr. Lula da Silva tal não seria oportuno, porque ele considera que a Escola não é determinante no sucesso das pessoas (e, no Brasil, a julgar pelo próprio, tem toda a razão);

* a internet à velocidade de 1 Mega, em Portugal há muito que é considerada obsoleta – eu percebo que não entenda porquê, porque no Brasil é hoje anunciada como o grande factor diferenciador. A transmissão por cabo já não nos interessa. Já estamos noutra – estamos entre os países do mundo com a rede de fibra óptica mais desenvolvida. E nesse contexto 1 Mega é mesmo uma brincadeira.

O ditador a que se refere – o Salazar – governou, infelizmente, ‘mais de 20 anos’, mas para a próxima, para ser mais precisa, diga que foram 48 (INFELIZMENTE, é mais do dobro de 20).

* Ainda assim, e apesar do muito dano que nos causou a sua governação, nós, portugueses, conseguimos em 35 anos reduzir praticamente a ZERO a taxa de analfabetos;

* baixar para cifras irrisórias o nível de mortalidade infantil e de mulheres no parto – estamos entre os melhores do mundo;

* criar uma rede viária que é das mais avançadas do mundo – em Portugal, sem exceder os limites de velocidade e sem correr risco de vida, fazemos 300 Kms em duas horas e meia (daria tanto jeito que no Brasil também fosse assim);

* melhorar muito o nível de vida das pessoas, promovendo salários e condições de trabalho condignos.

Temos ainda muito para fazer nesta matéria, mas já não temos pessoas fechadas em elevadores, cuja função é apenas carregar no botão do andar pretendido – cada um de nós sabe como fazê-lo e aproveitamos as pessoas para trabalhos mais estimulantes e úteis;

* também já não temos trabalhadores agrícolas em regime de escravatura – cada pessoa aqui tem um salário, não trabalha a troco de um prato de comida;

* colocar-nos na vanguarda mundial das energias renováveis, menos poluentes, mais preservadoras do planeta. Enquanto uns continuam a escavar petróleo, nós estamos a instalar o maior parque de energia eólica do mundo (é a energia produzida a partir do vento).

Poderia também explicar-lhe quem foi Camões, Fernando Pessoa, etc., cujos túmulos viu no Mosteiro dos Jerónimos, mas eles merecem muito mais.

Ah!, já agora, deixe-me dizer-lhe também que num ponto estou muito de acordo consigo: temos muito pouco sentido de humor. É verdade. Não acharíamos graça nenhuma se tivéssemos deputados a receber mesada para votarem num certo sentido, não nos divertiria muito se encontrassem dirigentes políticos com dinheiro na cueca, não nos faria rir ter senadores a construir palácios megalómanos à conta de sobre-facturação do Estado, não encontramos piada quando os políticos favorecem familiares e usam o seu poder em benefício próprio. Ficaríamos, pelo contrário, tão furiosos, que os colocaríamos na cadeia.

Veja só – quanta falta de humor! Mas, pelo contrário, fazem-me rir as sessões plenárias do senado brasileiro. Aqui em Portugal, e estou certa que em toda a Europa, tal daria um excelente programa de humor. Que estranho não é?!

Para terminar só uma sugestão: deixe o humor para quem no Brasil o sabe fazer com competência (e há humoristas muito bons no Brasil). Como alternativa, não sei o que lhe sugerir, porque ainda não a vi fazer nada que verdadeiramente me indicasse talento… Peço desculpa por não poder contribuir.

Mafalda Carvalho

MUITO BOM!

Só falta explicar à sra. em causa, o simbolismo do número 3 invertido, mas é demais para o entendimento dela…

penida ja falou praticamente tudo mas permitam-me que fale sobre o pedido de desculpas da M proença…:
1º começar um pedido de desculpas a rir é de mau gosto.
2ºdizer que o Português não tem humor e não é inteligente como se repararem bem ela afirma no video de pedidas de desculpa tbm não acho bom…
3º se era video caseiro nao o passava numa emissao dum programa que se quer profissional,ou sera que ela a cuspir no cristo redentor era motivo de gargalhada no brasil?os hoteis no brasil teem tecnicos informaticos 24/24?
4º agora já é portuguesa e o avô é portugês e tem um busto no clube portugues nao sei de aonde né?mas no site ofiçial dela na parte origens ela NUNCA fala sobre essa descendençia…alias…se no SITE todo falar 2 vezes em Portugal é muito!
Por isso MAite Proença é no meu entender PERSONA NON GRATA e iman de escarretas na testa se vier a Portugal…e se o Miguel se meter no meio leva uma tbm para segurar a poupa á frente…

Na tentativa de superar os insuperáveis exageros dos Tugas no Caso Maitê Proença. Para vomitar besteiras sobre tantas besteiras. Para tentar representar o sensacionalismo dos sensacionalismos e ser ridículo sobre o ridículo, resolvi escrever um conto.
Como o texto (conto) é enorme, este é para aqueles que perdem tempo lendo até obituários em jornais!

O Esquisito Caso de Maria Manuela, a Sósia de Maitê.

Maria Manuela, brasileira, sósia perfeita de Maitê Proença, foi a Vila de Sintra visitar o seu avô português, Joaquim Manoel, que há muitos anos não o via.
Chegando em Sintra, Maria começou a estranhar os olhares raivosos dos portugueses, os buxixos nas calçadas e janelas, até xingamentos, porém ela tentava acreditar que não era com ela.
De repente, como uma boiada furiosa, dezenas de portugueses correram atrás de Maria Manuela, jogando-a no chão e desferindo todo o tipo de golpe na pobre coitada, que não sabia por que apanhava tanto.
- Já batemos muito na Maitê! Deixemos a brazuca voltar para o Brasil a remo e que nunca mais volte!
- Eu não sou nenhuma Maitê! Meu nome é Maria Manuela!
- Maria Manuela?! Descarada esta mulherzinha! Ainda estar a gozar conosco!
E mais uma rodada de chutes, tapas, socos…
- Já demos o que ela merece! Deixemos esta senhora aí ao chão!
Maria Manuela, se esforçando muito, consegue tirar seu passaporte da bolsa para provar quem era. Esticando o braço com muito esforço entrega o documento ao líder do bando lusitano.
- É sonsa demais esta mulherzinha brasileira! Além de continuar a nos gozar é falsificadora de documentos!
E toma-lhe mais porrada na coitada.
- Não batam mais! – Berrou o líder dos tugas revoltados – Agora ela já esta a aprender a não nos gozar mais! Vamos pegar a sua bolsa como um troféu da vingança lusitana e deixa-la aí no chão beijando o sagrado e imaculado solo português!
O grupo foi se afastando de Maria Manuela enquanto os curiosos imprestáveis ainda olhavam a brasileira estirada no chão, com hematomas até no céu da boca.
- Meu Deus! – Gritava a brasileira aos prantos – Quando eu terei paz, senhor? Quando terei sorte na vida? É só azar! Só azaaar!
- Salazaaar?! Vocês escutaram?! – Gritou irado um dos homens do bando – A descarada está cá berrando Salazar, vamos voltar! Não cansa de nos gozar!
- Nãaaaaaao! Eu disse “só azar” e não Sala…
E toma-lhe mais porrada na azarada mulher.
- Parem de bater! Ela já esta praticamente a morrer! – Ordenou o chefe dos tugas – Vamos ficar só a observar a brazuca, pois daqui a pouco ela irá se encontrar com Camões, Vasco da Gama, Fernando Pessoa e outros gajos em que cuspistes!
Maria Manuela queria pedir ajuda, mas percebia que ninguém da Vila demonstrava preocupação com a sua vida. Acima de tudo, ela sabia que calada já estava errada e que o silêncio era o melhor caminho.
- Será que os ofendi por estar com roupa decotada? – Pensava Maria Manuela.
Maria foi engatinhando, muito lentamente, em direção a casa do seu avô e no caminho avistou um chafariz. O bando que a seguia já foi imaginando a ousadia que a moribunda estava a fazer.
Maria Manuela chegou com muita garra ao Chafariz e, para se refazer, lavou bem o seu rosto ensangüentado.
Mas foi inevitável outra surra, pois sufocada com o sangue em suas vias respiratórias, mandou uma bela escarrada avermelhada na água do chafariz.
- É muita coragem desta descarada! Dá vontade de levá-la ao Mosteiro dos Jerônimos e joga-la morta no chafariz que cuspiste!
E toma-lhe mais porrada na coitada..
Maria Manuela só tinha como salvação o seu avô para esclarecer tudo e principalmente leva-la ao hospital urgentemente.
Maria Manuela tentava gritar e não saía voz. Num esforço merecedor de canonização, como se tivesse renascendo dos mortos, ela concentrou-se, respirou fundo várias vezes, e começou a esboçar uma fala.
- Silêncio! – Pediu o chefe do bando – Ela quer dizer suas últimas palavras!
Maria Manuela virou lentamente a cabeça para o lado, escarrou sangue no chão lusitano, olhou para o céu e gritou:
- Avôooooooooooooooooooooo!
Sua voz ecoou por grande parte da Vila de Sintra. Lágrimas correram dos olhos de muitos moradores, que antes queriam a sua morte, lembrando Willian Wallace no filme Coração Valente que no momento da condenação a morte gritou “freedooooom”.
O grito de Maria foi tão alto quanto o de um fanático flamenguista após o gol milagroso do sérvio Petkovic, aos 43 minutos do segundo tempo, em cima do Vasco da Gama, na conquista do tricampeonato carioca de futebol.
Mais impiedosos que os carrascos de Willian Wallace, os rebeldes tugas queriam tirar até a última gota da alma de Maria Manuela.
- Tú tens a coragem em gritar pelo teu avô?! Descarada! Só falta dizeres novamente que tu és portuguesa devido a teu avô! Teu avô é apenas um busto de bronze dum Clube no Brasil!
Os tugas impiedosos resolveram arrastar Maria Manuela pelas ruas de Vila Sintra.
- Olhe bastante para essas ruas! – Bradava o mais impiedoso do bando
- Vais aprender agora a respeitar pela primeira e última vez um Patrimônio Mundial da UNESCO! E tu fiques a saber também que nós portugueses inventamos o serviço pré-pago de telefones móveis! Nós estamos a instalar o maior parque de energia eólica do mundo!
Tu fiques a saber também que eu sou o verdadeiro autor do mail de protesto contra ti que mais corre na Internet sobre a senhora, e que muitos dos meus patrícios sem criatividade, sem personalidade e burros, sem saber como responder a ti, copiam e colam este mail como se o mail fosse de autoria deles! Vou relembrá-la o mail!
“Cara Maitê,
Acabei de ver o teu vídeo a pedir desculpa aqui a malta de Portugal! Tudo jóia miúda… já vi que és uma garota légál e brincalhona, por isso, sei que não levas a mal se te tratar por tu… Já somos amigos! Sabes que há uns anos atrás, quando te vi pela primeira vez, soube logo que tu tinhas dois avôs portugueses! E blá blá blá…”
Maria Manuela presenciava a verdadeira visão do inferno! Se seu sofrimento físico era imensurável, seu sofrimento psíquico já a levava a completa exaustão D’alma!
Após citar todo o e-mail de sua autoria, uma verdadeira tortura psicológica a Maria, o tuga voltou a bradar.
- E fiques a saber que eu não achei graça nenhuma do vídeo de Hitler, pelo contrário, diferente de muitos dos meus patrícios burros, que dão risadas do vídeo de Hitler gozando com todos nós e com a nossa terra santa! Esses meus patrícios não estão a perceber que o vídeo esta somente a defender as piadas de Maitê e certamente foi feito por brasileiros gozadores a nos chamar de povo com “Mentalidade Saloia”, povo “Cheio de complexos de inferioridades”, “Povo que não sabe brincar”, “Povo que não sabe do que gosta”, de “Criancinhas mimadas”, de “Marias ofendidas que não se lhes pode dizer nada”, entre outros insultos ao povo lusitano! Esses meus patrícios burros ainda estão a divulgar o vídeo do nazista em seus blogs e sites, como se ele estivesse a honrar e a defender a santa pátria portuguesa! Não é a toa que os brasileiros vivem a nos gozar!
O chefe do bando, com visíveis recalques e desequilíbrios, voltou a dizer feitos de Portugal, contando detalhadamente as conquistas de Vasco da Gama, recitou versos de Camões e Fernando Pessoa, cantou o hino português e não deixou de falar das mazelas do Brasil, quando percebeu que Maria Manuela estava se agarrando com uma das mãos ao chão para não ser mais arrastada.
Maria estava com o corpo praticamente paralisado, com vários ossos quebrados, fraturas internas e externas, mas conseguia mover com dificuldades apenas o braço direito.
- Tu queres mais algo, senhora? – O bando deu fortes gargalhadas após a ironia do chefe dos tugas.
Maria, avistando a casa do Avô, com o único braço que ainda mexia, foi lentamente o levantando e apontou para a casa do avô.
Em uma macabra coincidência, a casa do avô de Maria Manuela tinha a placa de n.º 3… …Invertida!
Os tugas desta vez se entreolharam assombrados.
- Sinceramente estou começando a ficar apavorado com esta mulher. – Disse um dos tugas ao bando – Antes eu estava a achar que esta mulher era sádica, mas agora estou a ter certeza que és masoquista!
Porém um bravo e heróico português estava a aparecer. Joaquim Manoel, avô de Maria Manuela, um senhor de 100 anos, bigodudo, tremulo de parkinson, segurando a sua arma de fogo, foi averiguar, corajosamente, o que acontecia a frente da sua casa com 3 invertido. Seu Joaquim deu 3 tiros para cima e o bando se dissipou, imediatamente.
Seu Joaquim Manoel, homem respeitado em toda a Vila de Sintra, gritou por socorro enquanto segurava a cabeça de Manuela, mas ainda não tinha conseguido reconhecer que aquela injustiçada mulher ensangüentada e cheia de hematomas era a sua neta, até notar algo em sua pulseira. Um pingente de ouro em formato de 3 que Joaquim Manoel havia dado a Maria Manuela aos 3 anos e 3 meses de idade. Joaquim Manoel era portador de TOC e uma de suas fortes obsessões era pelo n.º 3.
O desespero tomou conta do heróico Joaquim Manoel ao ver sua neta desfigurada e ele desmaiou. Os vizinhos presenciando a imensurável injustiça acometida a Maria Manuela e vendo o seu respeitado morador, seu avô, desmaiado, se apressaram em levá-los ao hospital próximo.
Seu Manoel Joaquim se recuperou rapidamente, mas agrediu uma enfermeira logo após ganhar forças, pois queria ficar no leito 3 do quarto 3. Conseguindo o que queria, arrumou outra confusão, pois queria que as placas fossem invertidas, tal a do seu lar.
Maria Manuela ficou em coma induzido por um longo tempo. Após sair do coma induzido, ficou no hospital fazendo algumas pequenas cirurgias plásticas corretivas e principalmente muita fisioterapia.
Os moradores de Vila de Sintra, com bastantes remorsos por terem apoiado o linchamento público, ansiavam a recuperação de Maria Manuela para receberem com todo carinho a azarada mulher brasileira.
Precisavam reparar toda injustiça cometida contra a coitada pelos putos fascistas que quase tiraram a sua vida (“putos” = adolescentes, em Portugal).
Neste meio tempo, eis que aparece em Vila de Sintra a coadjuvante da história, para não dizer figurante: A atriz brasileira Maitê Proença!
Maitê foi pessoalmente pedir desculpas aos moradores portugueses de Vila de Sintra, pois estes não aceitavam nenhuma forma de pedido de desculpas da atriz via mídia. Com ela estava um Camera Man do programa Saia Justa, do canal GNT.
Os moradores de Sintra abaixavam a cabeça para Maitê o que deixou a atriz confusa logo na chegada a Vila. Outros pediam desculpas em voz baixa para a atriz, ao cruzarem com ela. Um dos moradores chegou a se ajoelhar para beijar os pés da atriz brasileira, chorando. Obviamente a Maitê não entendia nada de nada, mas especulou que seria uma forma de demonstração de arrependimento e perdão pela reação exagerada que os portugueses cometeram com ela pela Internet.
- Não fazia idéia de como este povo lusitano é tão evoluído e humilde! – Disse Maitê para o Câmera. – Estou chocada com tamanha humildade!
Maitê não sabia o que dizer para a câmera, mas preferiu o silencio para que a câmera focasse e filmasse apenas aqueles nobres gestos dos moradores de Sintra.
Nem uma rainha tinha uma recepção tão amável e genuína. Pétalas de rosas eram jogadas de muitas janelas quando a Maitê passava. Um dos moradores mais emocionados tocou, em seu poderoso aparelho de som, o hino brasileiro como forma de desculpas a brasileira quase crucificada. Muitos moradores, em gesto de total respeito à nacionalidade de Maria Manuela, perfilaram-se de frente a Maitê Proença, com a mão direita no peito em respeito ao hino do Brasil, enquanto a atriz passava pelo corredor humano, boquiaberta com o que via.
- Estou até ficando sem graça. Que situação constrangedora. – Desabafou Maitê ao Câmera man.
- Imagine a grande pompa que seria essa recepção se você mijasse no chafariz do Mosteiro dos Jenonimos? – Ironizou o Câmera, as risadas.
Alguns moradores gritavam “Viva Maria Manuela!”. “Perdoem-nos Maria Manuela!”.
- Quem é essa tal de Maria Manuela? – Indagava Maitê Proença, confusa.
- Só pode ser uma forma genérica de enaltecer uma mulher aqui em Vila de Sintra, pois perceba como eles dirigem esse nome com entusiasmo a você! – Respondeu o Câmera Man.
- Talvez tenha sido alguma heroína de Sintra, virando sinônimo de qualquer elogio a uma mulher importante – Concluiu o Câmera Man.
- Assim como os insignificantes, desprezados e anônimos pobres são chamados no Brasil, genericamente, de “Zé Ninguém”. – Concluiu Maitê Proença, confusa com tudo, até com o que acabara de dizer.
A hora mais esperada ainda estava por vir. O pedido de perdão do bando de tugas que lincharam Maria Manuela.
O bando agressor, formado por dezenas de portugueses envergonhados, caminhava em direção a Maitê, todos vestidos com a camisa da seleção brasileira com uma estampa: “Bem Vinda!”. Seguravam uma faixa com os dizeres: “Nós manchamos de sangue a Vila de Sintra. Perdoa-nos!”.
- Quando eu disse que os portugueses são esquisitos, até você me recriminou! – Comentou a atriz com o seu Câmera man.
- Você tinha razão! “Esquisito” é eufemismo. Eles são é de outro planeta! – Completou o câmera man
- Eu pedia desculpas por todos os meios de comunicação e eles não aceitavam, pelo contrário, me linchavam ainda mais na Internet a cada nova explicação, a cada pedido de desculpas! Agora que venho pessoalmente pedir desculpas, não entendo tudo isso que presencio! – Desabafou a atriz.
- Certamente eles perceberam como exageraram no direito de resposta as suas brincadeiras e agora também estão exagerando no pedido de desculpas – Concluiu o seu colega de trabalho, dando uma de sabichão.
O porta-voz do bando dos tugas, que espancou Maria Manuela, se aproximou de Maitê Proença e entregou um lindo arranjo de flores. Outros muitos presentes foram colocados no chão por cada integrante do bando agressor. Alguns moradores jogaram bacalhaus enormes no amontoado de presente, lembrando o ato do velho Chacrinha com o seu público brasileiro.
- Não sabemos como pedir desculpas à senhora. – Disse o líder dos tugas agressores – Foi um grande mal entendido sem precedentes.
- Está tudo bem! – Disse Maitê – Foi realmente um grande mal entendido. Também peço desculpas por qualquer ofensa e foi o que eu vim fazer aqui em Portugal.
- Que desculpas a senhora tem a nos pedir? Jamais a senhora nos ofendeu! Nós linchamos a senhora injustamente! Nossa consciência está a nos punir! Fomos longe demais com o nosso ódio!
- Isso é verdade. Vocês me lincharam, me crucificaram! Foram longe demais, mesmo!
A Maitê, que tinha ido pedir desculpas, já se empolgava e tirava casquinha da bizarra posição de grande vítima que se tornou, por iniciativa explícita dos tugas.
- Mas estávamos a achar que a senhora não aceitaria desculpas por nossa imensa brutalidade! Fico espantando com a sua indulgência, digna de uma deusa!
Maitê agradeceu o elogio.
- Como foi a sua recuperação?
- Minha recuperação!? Sempre estive muito bem desde o mal entendido!
O português ficou segundos em silêncio e em seguida soltou uma gargalhada.
- Esqueci que tu és brasileira e tens senso de humor apurado! Nós portugueses precisamos deste humor que os brasileiros possuem.
- Eu concordo plenamente com você! Os portugueses precisam de mais senso de humor na vida.
- E o seu avô? Como ele está? Deve estar cá contigo!
É a vez da Maitê cair na gargalhada.
- Estão aprendendo a fazer piada, heim! Sei que meu avô está sempre olhando por mim, aonde quer que ele esteja.
- Pois é. Saiba que teu avô é um homem muito respeitado cá em Sintra!
Maitê devolve um sorriso amarelo.
- Agora que está tudo esclarecido, desculpado e resolvido para ambas as partes, preciso voltar ao Brasil. Adeus meus queridos irmãos portugueses!
- Puxa vida! Gostaríamos que a senhora ficasse mais tempo em Portugal! Pedimos desculpas por todo mal estar que nós portugueses causamos à senhora!
A despedida foi calorosa. Uma grande carreata seguiu Maitê até o aeroporto.
Maria Manuela, após sair do hospital meses depois, traumatizada com tudo o que passou em Vila de Sintra, pegou um avião direto pro Brasil. Muito traumatizada, Maria Manuela tornou-se freira. Doou todos os seus vestidos e roupas decotadas para os necessitados.
A história da sósia de Maitê, Maria Manuela, chegou ao Vaticano, e especulam que sua canonização já está sendo estudada, obviamente só após a sua morte. Maria Manuela já é tida como santa viva em Vila de Sintra. É a Joana D’arc dos portugueses da Vila.
Um dos milagres atribuídos a ela foi a cura parcial do próprio tio, seu Joaquim Manoel. Cura parcial do seu Transtorno Obsessivo Compulsivo, mas particularmente em relação ao n.º 3. O povo atribuiu a Maria Manuela o milagre de seu Joaquim Manoel ter se mudado para a casa de n.º 8, coisa impensada até aquele momento, dada a sua obsessão por um século ao n.º 3. Na verdade seu Joaquim Manoel mudou-se, pois foi despejado da casa por falta de pagamento de impostos. O povo não atribuía uma cura total, pois seu Joaquim Manoel vivia a ficar retirando e repondo a placa da casa de n.º 8. O que o povo de Sintra não compreendia é que seu Joaquim Manoel vivia tentando inverter o n.º 8 como fazia com o 3!
Até que um dia, um brasileiro em temporada na Vila de Sintra, notou o estranho hábito de seu Joaquim Manoel. Ficou muito encucado e se dirigiu ao idoso para acabar com a sua curiosidade mórbida. Seu Joaquim Manoel lhe contou as angústias que sofria com o apego irracional ao n.º 3 e aos n.ºs que ele invertia de forma compulsiva. O brasileiro em um gesto de total compreensão e solidariedade ajeitou a placa de maneira que seu Joaquim nunca havia feito antes.
Seu Joaquim Manoel caiu de joelhos e entrou em prantos, olhando a placa como se tivesse encontrado todas as respostas de suas perguntas. Como se tivesse encontrado o nirvana.
- É claro! É óbvio! – Gritava seu Joaquim – O n.º invertido esta a ser apenas um reflexo ao espelho! – Filosofava, emocionado – Os n.ºs são infinitos! Os n.ºs são infinitos! Estou curado! Os n.ºs são infinitos!
O brasileiro ficou se sentindo o próprio Freud em ter curado o TOC do português em segundos, apenas deitando a placa 8, formando assim o símbolo do infinito. Isso sim foi um milagre, mas não foi de Maria Manuela! O povo de Vila Sintra, notando que seu Joaquim nunca mais mexeu na placa da casa, que deitada assim ficou para sempre, avisou ao Vaticano que sua cura agora era completa. Os tugas soltaram até fogos em homenagem a santa viva, Maria Manuela.
O segundo milagre foi também um equívoco, daqueles que gostam de exagerar nos contos até virar lenda. O povo de Sintra diz ao Vaticano que Maria Manuela transformou a água do chafariz em sangue. Apenas mais uma lenda, claro! A transformação da água em sangue foi apenas aquela sua escarrada (de sangue), deixando a água avermelhada, após apanhar muito…
O terceiro milagre são pessoas afirmando ter visto Maria Manuela em dois lugares ao mesmo tempo. Essas pessoas trabalham no hospital que Maria Manuela ainda estava internada e após saírem do batente “a viram” andando também pelas ruas de Sintra, sendo filmada pelo o Câmera man do GNT.
Maria Manuela ganhou o Prêmio Nobel da Paz por conseguir a façanha (mesmo sem querer) de pacificar os portugueses, que antes atacavam xenofobicamente a Maitê Proença e os brasileiros de todas as maneiras, pela Internet.
Os boatos ainda aumentam muito, a cada momento e os rumores beiram ao pior (ou ao melhor) dos sensacionalismos. A história de Maria Manuela corre pelo mundo real e virtual e isso chama atenção da Rede Globo!
Em um feito inédito, a Rede Globo forma parceria com a TV portuguesa SIC para o começo das filmagens da nova novela sobre Maria Manuela. A atriz principal a representar Maria Manuela não poderia ser outra: Maitê Proença!
Para desafiarem a TVI (canal de TV portugues) que teve a novela campeã de audiências em Portugal, “A Outra”, a Rede Globo e a TV SIC já escolheram o nome da novela:
“A Própria!”

NOTA: Ignorem o português!
Retificando, para não haver ofensas e mal entendidos: Ignorem os prováveis erros de português!

Da falta do que fazer…
Ed Macedo

Este post está cada vez mais interessante…

Uma coisa é brincar com inteligência, outra coisa é uma tentativa de humor brejeiro e barato.
Para deitar por terra essa crítica que os portugueses não tem sentido de humor nem capacidade de auto-crítica deem uma olhadela em alguns sketches dos Gato Fedorento para ficarem com uma ideia do que realmente é humor de qualidade, com toques de auto-crítica QB.

Estava no Brasil, e só agora me inteirei da polémica criada pela Maitê Proença. Como brasileira e morando em Portugal há 12 anos, sinto-me envergonnhada com tais atitudes, dignas de uma pessoa sem princípios, sem educação, sem respeito ao próximo e sem espelho!
Já imaginou Maitê se os portugueses resolvessem fazer um vídeo sobre os “poblemas” do Brasil, sobre o presidente da República brasileiro, sobre os “ovo”, sobre a violência desmesurada que impera no Brasil, e até mesmo sobre as tragédias da sua vida privada? Será que você se divertiria tanto? Tenha a certeza de 2 coisas: Você irritou os portugueses e envergonhou-nos a nós, brasileiros!

Maitê Proença não é uma típica mulher brasileira. As brasileiras são muito mais civilizadas do que você imagina! Maitê Proença é só uma vergonha nacional.
Eu não vi graça nem uma em”as outras brasileiras só engolem porque lhes pagam”. Se uma portuguesa fizesse algo semelhante em outro país, vocês achariam justo dizer que as portuguesas “engolem”?
Ps¹: o certo é “lhas pagam” , e não “lhes pagam”, por se tratar de pessoas do sexo feminino.
Ps²: Sou brasileiro.
Ps³: Fora alguns exageros (como por exemplo falar que a mulher brasileira “engole”), eu gostei do blog.

não, é LHES pagam.

Samuel, obrigada pelo elogio às mulheres brasileiras. Vc tem razão e não podemos generalizar, a partir de um mau exemplo!
Como tb não podemos e não devemos partir para ofensas baratas!
O blog é super interessante! É muito bom termos um canal sério para podermos emitir nossas opiniões, esclarecimentos, discutirmos idéias e porque não, tb aprendermos algo sobre os outros…

Obrigado Cristina, Samuel e todos os demais que referiram gostar do ParaRir.com! Continuamos todos os dias a tentar inovar e transmitir algo de novo aos nossos leitores, juntamente com uma boa dose de boa-disposição.

Procurámos neste post em particular mostrar o que se disse por aí em relação à polémica Maitê… e acreditem, o que aqui postámos nem sequer foi as piores coisas que encontrámos ^_^’

Houve vários exageros no meio disto tudo, mas congratulo os leitores do ParaRir que pelo menos na generalidade dos comentários a este artigo mostraram que o bom senso ainda impera, tanto em terras lusas como brasileiras!

Cristina e ParaRir obrigado pelo reconhecimento. Não disse isso antes por que ando ocupado.

Quem são os Alentejanos?

Os Alentejanos são habitantes de uma região do Sul de Portugal chamada Alentejo. Devido ao seu sotaque arrastado e à grande presença de agricultores na região, a imagem do Alentejano é muitas vezes associada a uma pessoa lenta e preguiçosa, despreocupada de tudo excepto comer e dormir.

Muitas piadas são feitas tendo como alvo os alentejanos, um pouco como os brasileiros fazem piadas de portugueses. No entanto, tal como neste caso, a maior parte dos Alentejanos são pessoas tão dinâmicas e capazes como qualquer um. Mas não é por isso que não deixamos de fazer piadas deles…

Entendo…

Acontece também isso no Brasil, mais com o pessoal do nordeste, como eu, dizem que nos falamos errado, que somos burros, que não temos moral (temos mais do que eles, mas eles querem ser superiores e inventam isso), que somos os “escravos do Governo Federal” (só por que somos os primeiros a nos oferecer para trabalhar nas obras publicas, como na construção da capital, Brasília. Somos trabalhadores isso sim), também falamos arrastado e temos muitos agricultores, mas temos as melhores universidades de direito do país (segundo a AABB, Associação dos Advogados do Brasil)…
Mesmo assim somos tratados comos os alentejanos, mas não somos considerados preguiçosos, e sim idiotas, pobres, cabeçudos e atrasamos…

Perdoem-me a redundância…

Boas, quanto á Maitê nem faço comentários, mas gostava de dizer uma coisa, acho estúpido os brasileiros,a grande maioria, fazerem piadas de portugueses, até porque não são superiores em nada a nós a nível de cultura e civilização, entre outros assuntos de grande importância, eles gozam com o português porque são ignorantes, se conhecerem Portugal e os portugueses apercebem-se da figura ridícula que fazem ao gozar, é como se os portugueses dissessem que todas as brasileiras são prostitutas, ignorantes ao ponto de nem saberem pronunciar WWW (lol, procurem no youtube, ainda deve lá estar) só porque vimos algumas brasileiras assim. ignorantes, estranhos, analfabetos etc há em muito lado, aqui em Portugal e ainda mais no Brasil, devido a serem em maior numero, claro, o que me irrita é que os brasileiros têm tanto com o que gozar no Brasil mas gozam com os portugueses por muito menos, quem tem telhados de vidro não atire pedras, olhem para vocês e para os vossos, depois sim olhem para os outros, não falo para todos os brasileiros mas para muitos, pois quase todos fazem piada de português de situações em que são muito piores. tipo o vídeo da pizza, lol, já pedi muitas pizzas e nunca tive nenhum problema, mas acham piada a situação porque foi em Portugal, imagino os casos idênticos ou piores no Brasil que nunca falam deles nesses mesmos programas que gozam com o português, ignorância, enfim.
abraço a todos

já agora, não sabemos rir de nós próprios? lol, não há prova maior do contrário se procurarem por “Portugal no seu melhor” no google, imagens de coisas ridículas em Portugal, aconselho a todos, portugueses, brasileiros e ao resto do mundo, é um MUST, não façam é a mesma asneira e generalizem a toda uma nação

Carlos, eu também acho stúpido os portugueses,a grande maioria, fazerem piadas de alentejanos, até porque não são superiores em nada aos alentejanos a nível de cultura e civilização, entre outros assuntos de grande importância, eles gozam com o alentejano porque são ignorantes.

Eu não queria ofender nem generalizar ninguém.

Nós sabemos que não Samuel. E penso que o próprio Carlos não o queria também. No fundo ambos vocês dizem a mesma coisa: ninguém é melhor que ninguém e deviam-se evitar as piadas sobre quaisquer grupos, pois isso pode ser considerado, no mínimo, de xenofobismo.

Bem, a nossa posição aqui no ParaRir é algo complicada. Nós queremos fazer humor, queremos fazer as outras pessoas rirem. E, felizmente, ou infelizmente, a maior parte das piadas que andam por aí ou são sobre algum azar (desgraça, acidente) que acontece a alguém ou então são a ‘gozar’ com algum grupo (sejam loiras, alentejanos, ceguinhos ou manetas, enfim, já se percebeu).

Então que atitude tomar face a isto? Como fazer as pessoas rirem se a maior parte só se ri com coisas destas? Bem, a política aqui no ParaRir.com é simplesmente brincar – a palavra-chave aqui é mesmo brincar, em vez de gozar.

Sobretudo, o importante é sabermos rir de nós mesmos e acho que é isso que tanto tu como o Carlos acabam por dizer – no Carlos nota-se muito bem, quando fala no site Portugal no Seu melhor (que à data está em remodelações, escusam de lá ir, mas estejam atentos para quando voltar que é bem bom!)

Por isso escrevemos sobre tudo, mas sem grandes exageros. Às vezes com peças de humor mais refinado, outras mais brejeiro. Porque há muita gente por aí e não queremos apontar apenas para um tipo de público.

Mas, voltando ao tópico em questão, humor é diferente de gozação. E isso foi precisamente o que a Maitê fez. Depois veio dizer que foi Humor inteligente e que Português é que não entende… Enfim…

httpv://www.youtube.com/watch?v=tQ1yr6Z4NtM

Obrigado por entender…

É isso aí, gozem só com os argentinos! ;)

Brincadeira… Disse isso pois os argentinos são os maiores rivais do Brasil…
Isso desde a independência! Eles competem conosco no futebol, na economia, na influência na América do Sul…

Quanto ódio e veneno no coração destilado aqui neste site…

Fala sério. Eu vi todo o alarde dado, e fiquei curioso sobre o que teria dito de TÃO ofensivo, mas não é nada demais. Ela generalizou, e só, nada mais. A única coisa de mau gosto foi ela cuspir no monumento, já que foi nojento e desnecessário, seria bem melhor ela ter escrito algo, ou sei lá.

E por que chamaram ela de burra? Não vi burrice. Só um ato que quis fazer uma piada e nada mais. Tantas coisas INFINITAMENTE piores que o Barsil sofre.

Vocês(Portugal) já roubaram bastante de nós, vc’s tem mesmo é que se #@$@#$@#$ >>> Zuera a parte.

Mas não vi nada de tão degradante. É nada mais que os milhares de esteriótipos nacionais, sejam eles perjorativos ou não. Como: Barsil = promiscuidade e sabem jogar futebol, JAPA: inteligentes e introspectivos. Portugueses: burros… e enfim…

aff e viva ao sensacionalismo inútil

MAIS INDIGNO E ETICAMENTE FAIL FOI A REVISTA “LUX”.

Aspectos NADA delicados da vida dela, como a perda do mãe, irmão e pai por suicídio; que vc tem a mesquinhês e audácia de chamar de “teto de vidro”? Enquanto ela faz piadinhas inconsequentes e puramente triviais, sem motivação degradante, a LUX se rebaixa ao menor nível moral, cívico e, por que não, humano de alguém.

É claro, “pararir”(seus moderadores), deve ser muito legal falar da sua mãe e pai mortos- ou quando estarem-.

Pergunta: Então a morte de entes queridos por características trágicas é considerado um passado nego, falha de caráter??

Obs: Espero que essa “LUX” seja mais uma revistinha de esquina, que é o que tudo indica, caso não seja,as afirmações generalizadas de “esquisitisses” dos portugueses passará a não ser tão generalizada assim.

Eu imagino as mulheres portugueses em vossas praias a usar biquinis, igual as das brasileiras, sem depilar-se há de parecer grandes bigodes como se fosse gaivotas de asas abertas.

E que tal um comentário?